segunda-feira, fevereiro 26

Bons tempos...

Gabriela
(Antônio Carlos Jobim)

Vim do Norte, vim de longe
De um lugar que já nem há
Vim dormindo pela estrada
Vim parar neste lugar
Meu cheiro é de cravo
Minha cor de canela
A minha bandeira
É verde e amarela
Pimenta de cheiro
Cebola em rodela
Um beijo na boca
Feijão na panela
Gabriela
Sempre Gabriela

Passei um café inda escuro
E logo me pus a caminho
Eu quero rever Gabriela
De novo provar seu cheirinho
Manhã bem cedinho na mata
O sol derramou seu carinho
Um brilho na folha da jaca
Pensei em rever meu benzinho
Gabriela

Se ainda sobrasse um dinheiro
Podia comprar-te um vestido
E mais um vidrinho de cheiro
Contar-te um segredo no ouvido
Te trouxe um anel verdadeiro
Sonhei que era teu preferido
Pensei, repensei tanta coisa
Ah, me deixa ser teu marido
Pensei, repensei tanta coisa
Queria casar-me contigo
Gabriela, Gabriela

Todos os dias esta saudade
Felicidade, cadê você
Já não consigo viver sem ela
Eu vim à cidade pra ver Gabriela
Tenho pensado muito na vida
Volta, bandida, mata essa dor
Volta pra casa, fica comigo
Eu te perdôo com raiva e amor

Chega mais perto moço bonito
Chega mais perto meu raio de sol
A minha casa é um escuro deserto
Mas com você ela é cheia de sol
Molha tua boca na minha boca
A tua boca é meu doce, é meu sal
Mas quem sou eu nesta vida tão louca
Mais um palhaço no teu carnaval

Casa de sombra, vida de monge
Quanta cachaça na minha dor
Volta pra casa, fica comigo
Vem que eu te espero tremendo de amor

Em noite sem lua, pulei a cancela
Caí do cavalo, perdi Gabriela
Oh, lua de cera, oh, lua singela
Lua feiticeira, cadê Gabriela.

Ontem vim de lá do Pilar
Ainda ontem vim de lá do Pilar
Ontem vim do lado de lá
Ainda ontem vim do lado de lá
Já tô com vontade de ir por aí
É na corda da viola todo mundo samba
É na corda da viola todo mundo samba
Todo mundo samba, todo mundo samba
Quebra perna...
_________________________________
Quando eu tinha uns 13, 14 anos, vivia enfiada na floricultura da minha vizinha. Adorava ficar lá admirando as flores e ouvindo música. E foi lá que ouvi, pela primeira vez, Tema de Amor de Gabriela, do Tom Jobim. No radinho de pilha deles, sempre sintonizado na minha rádio predileta, Cultura Am. Me lembro como se fosse hoje: fiquei imóvel, me apaixonei completamente por aquela música. Ficava o dia inteiro ouvindo rádio pra ver se tocava aquela obra-prima. E, alguns anos depois, em 1989, comprei o disco do Tom com essa pérola. Trata-se do Passarim, considero este o melhor disco do Jobim. Mais três que eu amo:

Passarim
(Tom Jobim)

Passarim quis pousar, não deu, voou
Porque o tiro partiu mas não pegou
Passarinho me conta, então, me diz
Por que que eu também não fui feliz
Me diz o que eu faço da paixão
Que me devora o coração
Que me devora o coração
Que me maltrata o coração
Que me maltrata o coração

E o mato que é bom o fogo queimou
Cadê o fogo, a água apagou
E cadê a água, o boi bebeu
Cadê o amor, gato comeu
E a cinza se espalhou
E a chuva carregou
Cadê meu amor que o vento levou

Passarim quis pousar, não deu, voou
Porque o tiro feriu mas não matou
Passarinho me conta, então, me diz
Por que que eu também não fui feliz
Cadê meu amor, minha canção
Que me alegrava o coração
Que me alegrava o coração
Que iluminava o coração
Que iluminava a escuridão
Cadê meu caminho, a água levou
Cadê meu rastro, a chuva apagou
E a minha casa o rio carregou
E o meu amor me abandonou
Voou, voou, voou
Voou, voou, voou
E passou o tempo e o vento levou

E a luz da manhã, o dia queimou
Cadê o dia, envelheceu
E a tarde caiu e o sol morreu
E de repente escureceu
E a lua então brilhou
Depois sumiu no breu
E ficou tão frio que amanheceu
Passarim quis pousar, não deu, voou
Voou, voou, voou, voou...

Bebel
(Tom Jobim)

Pra que tentar mais uma vez
Pra que lembrar aquela vez
O que você Bebel me fez
Como esquecer aquela vez
Bebel, Bebel
Bebel você é muito mais do que
Eu já sonhei e até
Até pensei me apaixonar
Porque você, sorrindo
É muito mais que lindo
Mas é bonita mesmo
É uma beleza, força da natureza

Bebel encostada no muro
Sonhando no escuro
À luz do luar
Bebel esta coisa mais louca
Esse beijo na boca
Que eu vou te dar
Você vai sonhar
Vai se apaixonar
Você vai chorar
Não chora Bel
Não chora Bebel
Não chora, não chora
Não chora, não Bebel

Bebel de cabelo molhado
Escorrido lavado
Nessas ondas de um mar de sul
Bebel que se volta de lado
E me encara com olhos
De inesperado azul
Você vai sonhar
Vai se apaixonar
Você vai chorar
Não chora José, não chora Zé
Não chora
Não chora
Não chora Bebel...

Borzeguim
(Tom Jobim)

É fruta no mato...
Borzeguim, deixa as fraldas ao vento
E vem dançar
Hoje é sexta-feira de manhã
Hoje é sexta-feira
Deixa o mato crescer em paz
Deixa o mato crescer
Deixa o mato
Não quero fogo, quero água
(deixa o mato crescer em paz)
Não quero fogo, quero água
(deixa o mato crescer em paz)
Hoje é sexta-feira da paixão
Sexta-feira Santa
Todo dia é dia de perdão
Todo dia é dia santo
Todo santo dia
Ah, e vem João e vem Maria
Todo dia é dia de folia
Ah, e vem João e vem Maria
Todo dia é dia
O chão no chão
O pé na pedra
O pé no céu

Deixa o tatu-bola no lugar
Deixa a capivara atravessar
Deixa a anta cruzar o ribeirão
Deixa o índio vivo no sertão
Deixa o índio vivo nu
Deixa o índio vivo
Deixa o índio
Deixa, deixa
Escuta o mato crescendo em paz
Escuta o mato crescendo
Escuta o mato
Escuta
Escuta o vento cantando no arvoredo
Passarim passarão no passaredo
Deixa a índia criar seu curumim
Vá embora daqui coisa ruim
Some logo, vá embora
Em nome de Deus

É fruta do mato...
Borzeguim deixa as fraldas ao vento
E vem dançar
E vem dançar

O jacu já tá velho na fruteira
O lagarto teiú tá na soleira
Uiraçu foi rever a cordilheira
Gavião grande é bicho sem fronteira
Cutucurim
Gavião-zão, gavião-ão
Caapora do mato é capitão
Ele é dono da mata e do sertão
Caapora do mato é guardião
É vigia da mata e do sertão
Deixa a onça viva na floresta
Deixa o peixe n'água que é uma festa
Deixa o índio vivo
Deixa o índio
Deixa

Dizem que o sertão vai virar mar
Dizem que o mar vai virar sertão
Deixa o índio
Dizem que o mar vai virar sertão
Diz que o sertão vai virar mar
Deixa o índio
Deixa...
___________________________________
Tudo isso me deu saudade de um tempo em que eu ainda acreditava nas pessoas, no amor, na verdade, na música.

2 Comments:

Blogger sandra camurça said...

Puxa, Roberta! Valeu pela lembrança dessas canções do Tom.

Um beijo.

fevereiro 26, 2007 6:11 PM  
Anonymous Anônimo said...

chega mais perto moça bonita...é linda a musica
rogerio1030@yahoo.com.br

janeiro 15, 2010 1:58 PM  

Postar um comentário

<< Home